Rússia diz que pode responder militarmente se os Estados Unidos não aceitarem as exigências de segurança

  • A Rússia alertou que pode ter que responder militarmente se os Estados Unidos não sucumbirem às suas demandas de segurança.
  • A Rússia exigiu que a Ucrânia fosse permanentemente proibida de ingressar na OTAN.
  • Os Estados Unidos e a OTAN estavam convencidos de que isso não era um começo.

A Rússia alertou na quinta-feira que pode “ter que responder” militarmente se os Estados Unidos não concordarem com suas exigências de garantias de segurança obrigatórias, incluindo barrar permanentemente a Ucrânia e a Geórgia de ingressarem na Otan. Os Estados Unidos deixaram claro repetidamente que essa exigência não é um começo.

“Com o lado dos EUA não disposto a concordar com garantias estritas e juridicamente vinculativas de nossa segurança dos EUA e de seus aliados, a Rússia será forçada a responder, inclusive implementando medidas militares técnicas.” Kremlin Ele disse na quinta-feira em uma resposta de 11 páginas às propostas escritas feitas pelos Estados Unidos no final de janeiro sobre as demandas de segurança de Moscou.

Os Estados Unidos e a OTAN rejeitaram veementemente a exigência da Rússia de banir a Ucrânia para sempre da aliança, afirmando que os países deveriam ser livres para escolher seus aliados e parcerias de defesa. Embora a Ucrânia esteja tentando ingressar na OTAN há anos, não está no caminho oficial para se tornar um membro em um futuro próximo. Mas com cerca de 150.000 soldados sitiando a Ucrânia, o presidente russo, Vladimir Putin, exigiu que o problema seja resolvido agora.

Putin reclamou da expansão da Otan para o leste há anos, ignorando as maneiras como seu comportamento agressivo aproximou países como a Ucrânia da aliança e do Ocidente em geral. A Rússia invadiu a Ucrânia em 2014 e anexou a Crimeia, e desde aquele ano tem apoiado os rebeldes em uma guerra contra as forças ucranianas na região leste de Donbass. Especialistas dizem que a postura agressiva de Putin em relação à Ucrânia está ligada às suas ambições mais amplas de ver a Rússia recuperar o poder e a influência que desfrutou em toda a região e além durante a era soviética.

READ  Notícias da crise Rússia-Ucrânia: atualizações ao vivo

A Rússia novamente negou na quinta-feira quaisquer planos de invadir a Ucrânia, apesar de seu maciço acúmulo militar em seu vizinho.

“Não há ‘invasão russa’ da Ucrânia, que não está planejada, que os Estados Unidos e seus aliados anunciaram em nível oficial desde o outono do ano passado, então declarações sobre ‘a responsabilidade da Rússia pela escalada’ não podem ser consideradas de outra forma. Como tentativa de pressionar as propostas da Rússia sobre garantias de segurança e subestimar seu valor.

A Rússia acumulou quase 150.000 soldados na fronteira ucraniana, de acordo com o governo Biden, que alertou sobre uma invasão russa Pode acontecer a qualquer momento. Na terça-feira, Moscou afirmou que retiraria algumas tropas da fronteira ucraniana, mas Os Estados Unidos e a OTAN rejeitaram esta Ele disse que não há indícios de uma interrupção na escalada russa.

O governo Biden alertou que a Rússia estava procurando uma desculpa para invadir e poderia usar agentes secretos para lançar algum tipo de sabotagem para tentar justificá-la.

“A Rússia diz que está retirando essas forças. Não vemos isso acontecendo no terreno. Nossas informações indicam claramente que essas forças, incluindo forças terrestres, aeronaves e navios, estão se preparando para lançar um ataque à Ucrânia nos próximos dias”, acrescentou. disse o ministro. O secretário de Estado Anthony Blinken disse ao Conselho de Segurança da ONU na quinta-feira, em meio a relatos de bombardeio do leste da ucrânia.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

O PS5